A dieta do bolso cheio!

16 de October | 2013

16 de outubro, dia da alimentação! Não sabia? Tudo bem, não muda nada na vida de ninguém. Não é feriado, não tem programação especial na TV, mas que tal parar pra se perguntar: minha alimentação está de acordo com o que eu gasto com ela? Comer é uma necessidade, uma prioridade ou simplesmente uma obrigação? O que isso tem a ver com meu dinheiro? Nath responde.

Por Nathalia Arcuri

A foto ai em cima é do doce mais caro do mundo que se tem notícia até hoje. Para alguns, uma sobremesa exclusiva, coberta de requinte e luxo, voltada apenas à alguns mortais, é de dar água na boca! O doce, produzido na Inglaterra, é feito com 14 tipos diferentes de cacau, caviar, folhas de ouro 18 quilates… Preço: aproximadamente R$70.000,00! Pra mim não passa de um bolinho de chocolate provavelmente muito saboroso (espera-se), mas que terá o mesmo triste e deprimente final de qualquer outro. E no final você terá ganho 500 calorias e desembolsado esta fortuna em prol do aumento do culote.

Não, não vou fazer uma rifa do docinho inglês, nem tampouco indicar o local onde é servido… Coloquei a foto e o preço da iguaria apenas para promover um momento de reflexão a respeito do que comemos e de quanto gastamos ou investimos nisso.

Vou usar aqui minha vasta experiência pessoal em marmitas, lanchinhos caseiros e bolsas térmicas.
Desculpem a prepotência, mas de levar comida para o trabalho eu entendo! Quantas vezes em pontes aéreas não fui flagrada sacando meu lanchinho de peito de peru, queijo branco embrulhado em papel alumínio da bolsa? As pessoas me lançam olhares de reprovação enquanto meu estômago, minha cintura e meu bolso agradecem.

Poupar na alimentação não significa privação, passar vontade, mas requer disciplina, disposição e um pouco de habilidade no preparo dos alimentos, claro.

Vamos as contas, minha parte predileta!

Digamos que você almoça fora todos os dias e que gasta em média R$15,00 a cada refeição. No final do mês são R$330,00, no final do ano R$3.960,00. Com um pouco de esforço, preparando a própria comida e levando ao trabalho é possível reduzir em 50% este valor. Logo, você gastará R$7,50. A economia no final do mês será de R$165,00, no final do ano R$1.980,00.

Agora vem a parte mágica, que pouca gente acredita…
Se guardarmos estes R$165,00 todos os meses na poupança durante dez anos, lá no final da década teremos R$27.340,00, sendo que R$7.540,00 são os juros acumulados! Amo os juros! Viva os juros! Imagine a ceia de natal que você faria com esse dinheiro? Ou o quanto esbanjaria naquele Resort All Inclusive? Ou como ficaria linda naquele carro 0 km?

E sabe o que é melhor? Levando a própria marmita você não corre o risco de se deixar levar pela tentação, pode optar por alimentos mais saudáveis e consequentemente ganhar saúde.

Resumindo: comer bem pagando pouco emagrece e ainda ajuda e evitar os gastos com medicamentos para desentupir as veias no futuro.

Claro que você pode se dar ao luxo de sair da dieta financeira vez por outra, mas não esqueça que o preço poderá sair caro para o bolso, para a cintura e para a saúde.

Bom apetite e seja feliz!

Nathalia Arcuri – Me Poupe

photo-nathalia

Sou a Nathalia Arcuri, poupadora por opção, jornalista por profissão e especialista em finanças pessoais por vocação.

Comentários

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Solange Carmem 25 de July | 2018

Tenho muitas dificuldades para emagrecer, espero que agora que encontrei seu site consiga colocar essas dicas em prática e alcançar o meu peso ideal. Obrigada por comparilhar seu conhecimento.

renata 23 de June | 2017

Gostei muito do que li aqui no seu site.Estou estudando o assunto,Mas quero agradecer por que seu texto foi muito valido. Obrigada :)

Fabio 04 de June | 2017

Legal.

Tati 11 de November | 2016

Bacana.

Marcos 26 de October | 2016

Bacana.

Luana 18 de October | 2016

Interessante.